O que é igreja?

Uma imagem é uma representação de algo, mas não é esse algo.

Olhando para a foto ao lado não é possível concluir muita coisa: serão casados, noivos, namorados? Que local é esse? Seria manhã ou tarde? Não é possível abraçar o casal, conversar, saber sua história, reconhecer sua voz, fazer perguntas, etc. Além disso, é possível aplicar filtros na imagem para alterar suas cores e outros aspectos, modificando a realidade.

Da mesma forma pode haver “filtros” na maneira como vemos e vivemos a igreja. Tradições, mentiras do diabo, enganos de homens, nossas próprias experiências e debilidades, tudo isso pode nos afastar da vontade de DEUS sem que percebamos a distância da realidade. Podemos, em alguns aspectos, estar vendo e vivendo uma representação da igreja sem estar experimentando realmente o que é “ser igreja”.

Como saber? Como corrigir? Como voltar ao caminho se houver algo errado? Somente pela Palavra!

Salmos 119.105: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e luz para os meus caminhos”.

Hebreus 4.12: “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes,  e penetra até o ponto de dividir a alma e o espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração”.

Sugiro, então, que façamos assim: Vamos submeter o que pensamos, vivemos e até “achamos” sobre “ser igreja” à prova da Palavra de DEUS. O que for aprovado está bom! O que precisar de conserto, vamos consertar. O que não estiver de acordo com a Palavra, nós iremos abandonar. Amém?

A igreja é uma criação de DEUS e tem um só dono: Jesus!

Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e o sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16.15-18).

Numa tradução livre do versículo 17, poderíamos entender assim a afirmação de Jesus a Pedro: “Que bênção, Pedro! Isso é uma revelação e não foi homem nenhum que te revelou, nem mesmo você teria capacidade. Foi meu Pai que está nos céus que te disse isso, meu Pai falou com você!”.

Jesus, o Criador, aquele que sempre existiu, o Verbo Eterno que se fez carne, o DEUS que se esvaziou de sua glória e veio viver entre suas criaturas, entre os homens: A IGREJA É DELE! A IGREJA É EDIFICADA POR ELE! Só há um “especialista” em igreja:  JESUS! Nem eu, nem você, nem o estudioso, nem o teólogo, nem o bispo, o apóstolo, o papa!

Porque dele e por meio dele, e para ele, são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!”. (Romanos 11.36)

Mas o que é “igreja”?

Vejamos em passagens conhecidas das Escrituras. Talvez venhamos a nos surpreender, porque se lermos essas passagens sem os “filtros” das tradições e de nossas próprias experiências veremos que elas indicam que IGREJA é algo bem diferente do que eu e você estamos acostumados a pensar que seja.

Atos 8.1-3: “E Saulo consentia na sua morte. Naquele dia, levantou-se grande perseguição contra a igreja em Jerusalém; e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria. Alguns homens piedosos sepultaram Estêvão e fizeram grande pranto sobre ele. Saulo, porém, assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere”.

1ª conclusão: Igreja tem a ver com pessoas que moram em casas, famílias de verdade e não “templos”.

Como Saulo assolava a igreja? Derrubando seus “templos”? Fechando seus locais de reuniões? NÃO! Entrando em suas casas (na casa das pessoas) e arrastando-as para a prisão.

Atos 11.20-23: “Alguns deles, porém, que eram de Chipre e de Cirene e que foram até Antioquia, falavam também aos gregos, anunciando-lhes o evangelho do Senhor Jesus. A mão do Senhor estava com eles, e muitos, crendo, se converteram ao Senhor. A notícia a respeito deles chegou aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé até Antioquia. Tendo ele chegado e, vendo a graça de DEUS, alegrou-se e exortava a todos que, com firmeza de coração, permanecessem no Senhor”.

2ª conclusão: Igreja tem a ver com pessoas, e pessoas normais.

Não são “grandes homens de DEUS”, nem especialistas, mas pessoas que entendem que são a missão de DEUS nesse mundo. Não apenas estão em missão, mas são elas próprias a missão. No trabalho, na escola, na faculdade, fazendo feira, comprando pão, entrando em fila para pagar contas, andando de ônibus, passeando no parque. Quando entendem e vivem assim, a mão de DEUS e a graça de DEUS estão com elas para viverem uma vida plena e alcançarem outros. Não sabemos quem foram esses “alguns deles” que o texto fala, mas sabemos que anunciaram o evangelho com tal graça e unção que muitos se converteram.

Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça” (João 15.16)

Atos 20.17,28: “De Mileto mandou a Éfeso chamar os presbíteros da igreja. E quando se encontraram com ele, disse-lhes. Atendei (cuidai) por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de DEUS, a qual ele comprou com seu próprio sangue”.

3ª conclusão: Igreja tem a ver com pessoas que foram compradas, tem dono. E foram compradas com sangue eterno, sangue santo, sangue puro, sangue de DEUS!

O preço foi alto! E por quê? Porque a dívida era grande, muito grande, impagável! Como a gente se vê? Como pessoas boas, com bons comportamentos e boas ideias?

Deus não vê assim.

Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer; não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer” (Romanos 3.10-12).

Mas ele amou! De tal maneira… que pagou o altíssimo preço do resgate!

Além do mais, igreja tem a ver com pessoas que precisam ser cuidadas (pastoreadas, apascentadas) e que se deixam cuidar por outros que também são igreja com eles! “Pastorear” e “apascentar” são verbos que não podem ser usados para se referir a coisas, negócios, prédios, organizações, cadeiras, púlpitos. Apenas pessoas e animais. Pelo contexto está claro que são pessoas: “para pastoreardes a igreja de DEUS”.

1 Coríntios 1.1,2: “Paulo, chamado pela vontade de DEUS para ser apóstolo de Jesus Cristo, e o irmão Sóstenes, à igreja de DEUS que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”.

4ª conclusão: Igreja tem a ver com homens e mulheres que antes eram pecadores inúteis para DEUS, mas que foram lavados e santificados em Jesus.

E agora são chamados para serem santos, ou seja, para viverem de uma maneira completamente diferente, para o inteiro agrado de DEUS. São os “do Caminho”, aprendendo uma nova maneira de viver a vida: para Jesus, não mais para si.

E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Coríntios 5.15).

1 Coríntios 10.30,31: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para glória de Deus Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de DEUS”.

5ª conclusão: Igreja tem a ver com pessoas que vivem no mundo, mas não são do mundo.

O apóstolo cita 3 categorias de pessoas: judeus, gentios e a igreja de DEUS. Ora, para o entendimento da época a soma dos judeus e gentios significava “o mundo inteiro” (ou alguém era judeu ou era gentio, que quer dizer “não judeu”). Paulo então acrescenta em sua relação um povo “não do mundo”, um povo estrangeiro, peregrino, que tem como missão glorificar a DEUS em tudo que fazem aqui, serem testemunhas de que há um DEUS vivo e verdadeiro que transforma vidas, sendo as suas próprias vidas transformadas o testemunho inegável. Um povo que busca em primeiro lugar a vontade de DEUS para viver, e confia que DEUS cuida das “demais coisas”.

Amados, exorto-vos, como a peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma” (1 Pedro 2.11).

Atos 9:1-5: “Saulo, respirando ainda ameaças e morte contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote e lhe pediu cartas para as sinagogas de Damasco, a fim de que, caso achasse alguns que eram do Caminho, assim homens como mulheres, os levasse presos para Jerusalém. Seguindo ele estrada fora, ao aproximar-se de Damasco, subitamente uma luz do céu brilhou ao seu redor, e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Ele perguntou: Quem és tu, Senhor? E a resposta foi: Eu sou Jesus, a quem tu persegues”.

6ª conclusão: Igreja tem a ver com Jesus, em toda a sua essência! Ele não é somente o dono, a igreja é o seu corpo e Ele é o cabeça desse corpo!

A quem Paulo perseguia? Aos discípulos? À igreja? Perseguia JESUS!! Jesus está nos céus, mas seu corpo anda e pisa e vive na terra! E Jesus tem apenas um corpo, não vários! Portanto igreja tem a ver com unidade, comunhão intensa, amizade sincera, intimidade santa, dependência mútua, serviço de uns aos outros.

Deus exerceu em Cristo a suprema grandeza do seu poder, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado e potestade, e poder e domínio, e de todo nome que se possa referir, não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as coisas debaixo dos pés e, para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja, a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas” (Efésios 1.20-23).

João 1.12: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de DEUS, a saber, aos que creem no seu nome”.

Efésios 2.19: “Assim já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de DEUS”.

7ª conclusão: IGREJA É A FAMÍLIA DE DEUS!

Embora grande, não é uma organização, não possui nome. Anda e vive na terra, mas é estrangeira aqui, porque é do céu. Não é necessário muita coisa, nem recursos, nem instrumentos, nem prédios. Bastam dois, três ou mais em comunhão em nome de Jesus, tomando refeições juntos, compartilhando sua fé juntos, socorrendo um ou outro, levando a carga um do outro, corrigindo e recebendo correção em amor. Eventualmente sendo perseguidos por causa do nome de Jesus. Enquanto vai (ao trabalho, à escola, à universidade, à feira) a igreja prega o evangelho e faz discípulos, ensinando-os a viver a nova vida. Expulsa demônios, cura enfermos, liberta cativos.

A força da igreja vem do seu criador, não dos prédios ou canais de TV que possui. Está equipada com um código genético celestial – o Espírito Santo – que lhe permite transferir valores e caráter do céu e aplicá-los aqui (amar inimigos, orar pelos que os perseguem, andar a segunda milha, dar a outra face, ser pacificador, etc).

A igreja é uma família extensa, espiritual. É um organismo e não uma organização. É formada por pessoas, cada uma delas tendo recebido dons especiais e espirituais. Cada uma delas sendo filhas de adoção, e do coração, do mesmo Pai. Cada uma tendo custado o mesmo preço de resgate a esse Pai e, por isso, sendo iguais diante dEle.

A igreja é fundamentada em relacionamentos, não em programas ou departamentos.

Cresce quando chora!

Ganha poder quando está fraca!

Pelo poder do seu criador é capaz de converter água em vinho, ateus em apóstolos, policiais em profetas, caminhoneiros em mestres.  É capaz de converter o coração dos pais aos filhos e dos filhos aos pais e famílias destruídas pelo pecado em lares de consolo e abrigo para outros desolados.

Sua multiplicação é tão simples como dois peixes e cinco pães nas mãos de Jesus:

… retendo a cabeça, da qual todo o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de DEUS” (Colossenses 2.19).

Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor” (Efésios 4.15,16).

E, nela, embora todos sejam preciosos e amados do Pai, só há espaço de destaque para uma única pessoa: O CORDEIRO DE DEUS!

Culto ministrado por Fernando Leão – Cabugá

Compartilhe com seus irmãos e amigos


ou copie este link e envie para seus contatos

Seja o primeiro a comentar!



* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do site e passarão por aprovação do administrador.