Negar-se a si mesmo

Nada dá mais prazer ao Pai do que estarmos fazendo a Sua vontade. Fomos chamados para anunciar. Para isto fomos resgatados. Se nós estamos em Cristo é para isto. Jesus morreu e ressuscitou por toda a humanidade.

O Senhor nos tem desafiado a viver a sua vida e proclamarmos o seu Evangelho. Percebo que é muito mais fácil perder o foco e nos enganarmos.

Temos diversas decisões para tomarmos no dia-a-dia: casa, trabalho, filhos, discipulado. Coisas que temos que decidir, fazer ou deixar de fazer. Devemos saber que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável. Há uma canção que diz: “Não tema quando enfim, tiveres que tomar decisão. Entrega tudo a mim, confia de todo coração. É meu, somente meu, todo o trabalho. E o teu trabalho é descansar em mim”.

COM O PASSAR DO TEMPO…

Hebreus 2.1-18 fala acerca da proclamação de Jesus como sumo-sacerdote, entre outras coisas. Temos recebido muitas ministrações, tais como esta de Hebreus 2, que nos empolgam e dizemos: “Agora vai!”.

Mas, depois nada acontece! Por que isto acontece com a gente? Por que isto acontece comigo?

Com o passar dos anos a revelação que temos recebido passa a ser um mero conhecimento. Com o passar dos anos o conhecimento que temos recebido passa a ser uma mera lembrança. Com isto nos esquecemos de coisas como o “negar-se a si mesmo”. Daniel Souza, uma vez, compartilhou conosco que o grande problema na minha vida sou eu: “Se não fosse eu…”. O quanto eu não estou cheio das minhas coisas?

Onde deve estar o meu coração?

Efésios 1.16-18 nos diz: “Para saber qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos, e qual a suprema grandeza do seu poder para conosco (…)”. Vim compartilhando com Paulinho que se não morremos para nós mesmos, somos (nos tornamos) insaciáveis. Quando não temos nada, queremos uma bicicleta de 10 marchas, quando temos a bicicleta queremos uma moto!

Onde deve estar o meu coração? Mateus 6.19-21. É muito sutil a forma como o mundo se apresenta para nós (1 João 2.15-17). A vontade de Deus é que morramos para nós mesmos, neguemos a nós mesmos, percamos a vida.

Na sexta-feira (10/09/2010), assistimos ao vídeo da ministração do Marcos Moraes falando que o Evangelho do Reino é como uma moeda que tem duas faces: cara e coroa. O Evangelho tem uma cara (o rosto de Cristo) e uma cruz. Temos que tomar a nossa cruz.

Quando vemos o esvaziamento de Cristo, vemos Jesus lavando os pés dos discípulos, vemos que Ele não precisava de nada disto, de se rebaixar tanto. Tantas vezes em casa não conseguimos lavar os pés da esposa e filhos, dos colegas no trabalho, etc..

Não ameis o mundo

João fala que não devemos amar o mundo, pois isto nos afasta da presença de Deus. Quando fala “mundo”, ele fala do sistema. E esse sistema tem motivações, e esta motivação é nos afastar de Deus! Tem todo um sistema arquitetado para que cobicemos. Para provocar um desejo ardente na carne. Os estudiosos falam que há 03 grandes motivações ou os 03 “P”: Posse, poder e prazer.

A cobiça da carne

A cobiça da carne é o desejo desenfreado de prazer no ser humano. É o que temos nas bancas de revistas, TV, etc.. Dizendo para nós: “Experimenta, curte, faça!”. É a moda, forma de se vestir. Mexe com a sensualidade. É o sexo antes do casamento. O sistema aguça a posse: “Você merece. Isto é para você!”.

Quando contemplo a face de Cristo, o mundo nos vê como extraterrestres, nos sentimos um peixe fora d’água. O mundo segue um curso e nós outro. Somos forasteiros e peregrinos nesta terra.

Quando me pego desobediente, eu vejo este Deus cheio de glória e majestade tendo o seu esvaziamento de Filipenses 2.5-8. Dá uma angústia no meu coração. Ouço-o dizendo: “Vem, olha para mim!”.

Conhecimento dele

Em Efésios 1.15-18 lemos: “Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo (…) vos dê o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele”. Isto aqui também é verdade na segunda-feira quando estou no trabalho, etc..

Em Colossenses 1.9-14 ele fala a mesma coisa que em Efésios 1.15-18: Pleno conhecimento e sabedoria. O mesmo ocorre em Filipenses 1.3-9: “Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós, fazendo sempre, em todas as minhas orações, súplicas por todos vós com alegria, (…) e isto peço em oração: que o vosso amor aumente mais e mais no pleno conhecimento e em todo o discernimento”. Paulo tinha este cuidado, esta oração pelos irmãos nestas cartas: Sabedoria, revelação e conhecimento espiritual.

O engano do diabo

E este cuidado de Paulo é porque o diabo se apresenta tão sutil para nos enganar, tentando nos levar por vento de doutrina. Paulo tinha um foco bem definido: Era Jesus! Nosso medo de perder a vida tem sido fruto de uma ação do diabo. O diabo sabe que se morrermos com Cristo, com Cristo ressuscitaremos, com Ele estamos assentados acima de principado e potestade, Efésios 2.6.

Quem ressuscita? Só ressuscita quem está morto! É uma morte diária. Não é o tomar a cruz de mês em mês ou de ano em ano. É diária. As promessas do Pai são para quem morreu e ressuscitou, e assim nos tornamos coerdeiros das promessas do Pai.

Conclusão

Nada dá mais prazer ao Pai do que estarmos fazendo a Sua vontade, 2 Coríntios 5.15 . Fomos chamados para anunciar. Para isto fomos resgatados. Se nós estamos em Cristo é para isto. Jesus morreu e ressuscitou por toda a humanidade.

Compartilhe com seus irmãos e amigos


ou copie este link e envie para seus contatos

Seja o primeiro a comentar!



* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do site e passarão por aprovação do administrador.