Desejo e esforço de Deus a que sejamos parecidos com Ele – Vida piedosa

Vida piedosa

A palavra piedade é muito repetida na escritura e em uma das passagens que chama atenção que é esta: “Sabei, pois, que o SENHOR separou para si aquele que é piedoso; o SENHOR ouvirá quando eu clamar a ele.” – Salmos 4:3.

Deus separa para si o piedoso, Deus o coloca em destaque e se alegra nele.

E por que Ele se alegra no piedoso? O que significa ser piedoso?
Ser piedoso significa imitar a Deus. Uma pessoa piedosa imita a Deus e quer copiá-lo e isso concorda com o que entendemos ser o Propósito Eterno de Deus. Falamos que esse Propósito é “Uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus” e que esse propósito não mudou com o pecado e Deus ainda hoje quer que sejamos parecidos com Ele. Deus nos fez filhos e Ele espera que nos esforcemos para imita-lo.

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados;” – Efésios 5:1

Como podemos imitar a Deus se não O vemos?
Encontramos a manifestação plena de Deus na pessoa de Jesus e todas as coisas que Ele fez foram irrepreensíveis. Se nós queremos ter uma ideia de como é o Deus eterno e separado dos pecadores devemos olhar para Jesus. Ele é o resplendor da glória e a expressão exata do Pai.

Então se queremos imitar a Deus, precisamos olhar para Jesus e imitá-lo. Ver como Ele tratou as autoridades, crianças, meretrizes, publicanos, pecadores, hipócritas, religiosos, amigos, inimigos e trazer tudo isto para o nosso dia-a-dia.

Às vezes quando criança, temos desejo e necessidade de imitar nossos pais em tudo. Imitar no modo de falar, vestir e se comportar. Muitas vezes passamos vergonha na rua por andar igual ao pai e aparentemente estando fora de moda, mas no fundo temos um sentimento de que estamos parecidos com nossos pais.

Então quando nos convertemos, recebemos a orientação de Ser imitador de Deus. Agora um Pai sem defeito, amoroso, misericordioso, puro e é onde o Espírito Santo nos cobra o tempo todo que nós como filhos amados devemos imitar nosso Pai em todas as coisas.

Em Colossenses temos que em Jesus reside toda a plenitude de Deus, então temos que olhar para Ele e saber que ali está a expressão perfeita de deus e copiá-lo.

Talvez alguns possam dizer assim: “Ainda assim não vemos Jesus!”, é verdade que não vemos Jesus fisicamente mas é tão claro e evidente Seu caráter nas escrituras que é possível imitá-lo. Podemos, também, eleger na Igreja ou na história da Igreja modelos para imitá-los.

Certa vez um rapaz perguntou: “É pecado um homem usar brinco?”.
Esse tipo pergunta é do tipo que a pessoa quer encontrar brecha para fazer o que é inconveniente e se dissermos que é pecado, a ele vai indagar: “me mostra na bíblia que é pecado!” e como não existe nada que indique que seja pecado, ele vai se rebelar e dizer que vai usar pois não é pecado.

Mas, a questão não é ser ou não pecado, é “a quem você quer imitar?”.
A bíblia diz que devemos imitar nossos guias (modelos). Usando brinco você está imitando seu modelo ou a pessoas que não tem o caráter de Cristo e que usam?

Não foram exemplos de modelos de Cristo que introduziram o uso do brinco na orelha, começou com pessoas afeminadas. São esses que queremos imitar? Pessoas que são afeminados, rebeldes, irreverentes e alguns envolvidos com feitiçaria.

Devemos eleger modelos.

João Wesley foi eleito um modelo quando ele perguntou aos seus discípulos se eles tinham sonhos santos. A bíblia fala que até durante o sono o nosso coração nos ensina. Para ele perguntar estas coisas certamente ele deveria ter sonhos santos, e assim é um modelo a ser imitado. Quer ter sonhos santos, durma pensando em coisas santas.

Outro modelo: Carlos Stuart, filho de uma família rica inglesa do séc. XIX. Tinha fama, dinheiro e era bonito. Quando o pai morreu deixou toda a herança e ele por sua vez gastou tudo na obra de Deus, em seguida casou-se e foi para a China e lá teve 4 filhas em um tempo que os chineses se desfaziam das meninas porque uma mulher era considerada uma praga e quando cresciam, se casavam e o pai tinha que pagar o dote não podendo trabalhar na roça. Daí Stuart teve quatro filhas tendo certeza que Deus queria ensinar aos chineses a bênção de ter filhas. Em seguida ele foi para a índia de onde retornou à Inglaterra doente. Ao se recuperar da enfermidade, foi apelar aos jovens para irem evangelizar na África e sendo ignorado por eles, resolveu ir. O médico dele o repreendeu dizendo que ele iria morrer e sua resposta foi: “Se Jesus é Deus e morreu por mim, nenhum sacrifício é grande demais que eu não possa fazer por Ele”. Indo, passou mais vinte anos estabelecendo igrejas e durante este período, viu a sua esposa apenas duas vezes. Quando já velho, refletiu: “Senhor, renunciei tudo que eu tinha, há mais alguma coisa que preciso renunciar?”.

Podemos então eleger essa pessoa como modelo? Não seria um perfil perfeito de discípulo?
Jesus tem modelos, mas a questão é quem nós elegemos como modelos e a quem queremos imitar? Se quisermos imitar a Deus, busquemos imitar aquelas pessoas que andam perto de Deus.

Nós vamos viver com Deus e é nisso que devemos investir todo o nosso talento. É necessário entender que nossa vida é um presente de Deus que recebemos pela fé.

“Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos.” – 1 João 4:9

A vida de Cristo em nós é um presente de Deus, mas o caráter é uma conquista obtida por meio de exercício diário utilizando a fé. A vida de Cristo já nos foi dada e agora temos que nos exercitar de maneira a fazer parte desta vida.

Piedade não é sinônimo de santidade.
“Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade,” – 2 Pedro 3:11

Pedro não estava ratificando a palavra santidade, ele fala que devemos viver em um santo procedimento e piedade. Viver piedosamente está em uma faixa de comportamento e escolhas de que Deus nem exige nem proíbe.

Existem coisas que Deus proíbe e se as fazemos estamos pecando, sendo obrigados a ser disciplinados e existem coisas que Deus nos ordena fazer e se não fazemos, estamos pecando e devemos ser disciplinados também.

Existem coisas que Deus não exige e se não fazemos, Ele não fica triste, porém se fazemos ele se alegra. Há coisas que ele não proíbe e se fazemos, Ele não se entristece e se não fazemos Ele se alegra e nos distingue como alguém que quer imitá-lo. Ele sabe do que gostamos e deixamos de fazer por causa Dele porque todas as coisas devem ser para Ele e por meio Dele.

Nossos dias são cheios de oportunidades e situações que não envolvem pecado nem afetam a santidade, mas nos deixam livres para decidir o que vai agradar a Deus ou não.

Existe um alvo

Escutar de Deus “este é meu filho amado em quem me comprazo!”.

Todos os dias somos reprovados, mas devemos nos encher de Graça para viver o dia para Ele, pensar como Ele e decidir como Ele. É um estilo de vida onde a presença de Deus não nos surpreende.

História de Jacó

Ele teve um sonho com a chamada escada de Betel que unia terra e céu e por ali subiam e desciam anjos, ao acordar Jacó exclama: “Quão terrível é este lugar em que Deus está aqui e eu não sabia!”.

Uma pessoa que quer imitar ao Pai e quer ser semelhante a Ele nunca vai dizer que ele estava aqui e não sabia por que a presença de Deus é uma constante.

Não é uma presença apoiada em promessa, mas na presença de se sentir confortável ao seu lado.

O Espírito Santo tem ciúmes de nós e não se agrada de certos lugares onde O levamos. Muitas vezes estamos em lugares onde há cultos a outros deuses como por exemplo um estádio onde as pessoas cultuam seus times e nestes lugares, as vezes, não é pecado estarmos mas o Espírito Santo que está dentro de Nós não consegue ouvir estas coisas por ser Santo.

O Espírito Santo está sempre conosco e não nos divide com o mundo. Ou somos totalmente Dele ou não pertencemos a Ele e quando fazemos algo que O ofende Ele se entristece e aí vem a exortação “não entristeçais o Espírito”.

Talvez esta ideia de passar o dia inteiro pensando em Deus seja meio neurótico, mas não é. Sabe o que é ruim? Passar o dia entregue a nossas vontades e no fim da noite está de má consciência. Passar o dia vigiando e buscando agradar a Deus é poder deitar e dormir tranquilo. Agradar a Deus é um desafio, mas a nossa vida deve ser assim e é para isso que vivemos. Passar o dia pensando em Deus não é neurótico e sim sanador para nossa consciência e nosso coração porque há no Senhor plenitude de alegria.

Há um livro chamado “Praticando a presença de Deus” que conta um testemunho de dois homens em épocas diferentes. Um era um padre e outo de um irmão e os dois passavam o dia inteiro pensando em Deus e para eles não era diferente estar trabalhando ou estar no quarto orando, pois a presença de Deus era a mesma.

Deus disse para Abraão “anda na minha presença e sede perfeito”, porém alguns se comportam ao contrário querendo ser perfeito e anda na presença de Deus e não conseguem. Deus não espera que sejamos perfeitos para andar na Sua presença. Ele nos fez filhos e nos aceitou e a questão é ser aprovado e não aceito. Não devemos ter medo de andar na presença, pois ele nos chama para essa comunhão.

Ser perfeito é uma consequência e não uma condição ou causa para estar na presença de Deus.
A questão é: Queremos? Desejamos? Perseguimos? Isso nos desafia?

As vezes os filhos fazem coisas reprováveis e ainda assim não deixam de ser filhos, o tratamento é o mesmo e assim é Deus, quando pecamos o seu tratamento, educação, promessas, compromisso, etc. não mudam. Continuamos sendo filhos.

Para um pai é bom quando o filho agrada.
Então se devemos ser piedosos é por causa do Pai. Ele se agrada e é onde devemos ter um objetivo de exercitar diariamente a piedade.

A ideia de que somos exclusivos de Deus é ilustrado pelo profeta Ageu.
“Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Pergunta agora aos sacerdotes, acerca da lei, dizendo: Se alguém leva carne santa na orla das suas vestes, e com ela tocar no pão, ou no guisado, ou no vinho, ou no azeite, ou em outro qualquer mantimento, porventura ficará isto santificado? E os sacerdotes responderam: Não. E disse Ageu: Se alguém que for contaminado pelo contato com o corpo morto, tocar nalguma destas coisas, ficará ela imunda? E os sacerdotes responderam, dizendo: Ficará imunda.” Ageu 2:11-13

As coisas santificadas quando tocam as coisas naturais não as tornam santificadas e o que é santo quando toca aquilo que não é santo não o torna santo, já o impuro ao tocar coisas santas as torna impuras, imundas.

O que é de Deus deve ser separado não podendo ser misturadas para que não se contaminem. Às vezes contaminamos nossa alma pelo que ouvimos, vemos, falamos e tocamos.

Se confessarmos os nossos pecados hoje, eles são perdoados hoje.
Temos que saber que foi por causa destes pecados que o Cordeiro foi morto e não nos conformar e contentar com o pecado.

Imagine que em um lugar existe um casal e eles vivem em harmonia e que na rua em que moram existe um homem que tem fama de ser paquerador de mulheres casadas que e dizem já ter levado muitas destas mulheres a trair seus maridos. Um dia o marido chega da rua e este sujeito está debruçado no muro conversando com sua esposa. Pode até ser que ele tenha ido obter uma informação. Em outra ocasião, lá está o homem conversando som a mulher novamente. Esta mulher pode nunca ter se deitado com este homem, nem sequer se insinuado, mas para todos na vizinhança, que passam e veem aquela cena, aquele marido já está sendo traído de fato!

Não houve pecado, mas houve desonra!

Às vezes a noiva – que é a Igreja – fica de papo com o mundo e isso não traz honra nem santifica a Deus e às vezes o nome Dele e desonrado pelos gentios por nossa causa.

O Jugo de Cristo

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” – Mateus 11:28-30

Jugo é o mesmo que canga e serve para comandar bois onde eles tem que obedecer o comando do carroceiro então quando Jesus diz “tomais sobre vós o meu jugo”, Ele não disse que tinha um jugo para cada pessoa pois o jugo é sempre duplo e assim tomar o jugo é entrar debaixo do jugo em que Jesus já estava e Seu jugo é fazer sempre a vontade do Pai e estando do Seu lado iriamos também fazer a vontade de Dele, assim encontraremos descanso para nossa alma.

O jugo não pode ser desigual, então nesse caso ele não seria uma demanda e sim uma promessa de ser igual a Ele com o tanto que estejamos debaixo do seu jugo.

Nosso chamado pessoal é andar com Jesus e aprender com ele que é humilde e manso de coração e então sermos perfeito como Ele é. Aqueles que naquele dia ouvirão “Eu nunca vos conheci” serão aqueles que nunca andaram debaixo do jugo de Cristo e nunca andaram com Ele, usaram o nome Dele mas não estavam ao seu lado.

Congresso de Jovens 2011 – (23/07 – Tarde)


Esta ministração faz parte de um conjunto de 3:

  1. Desejo e esforço de Deus a que sejamos parecidos com Ele – Vida sensata
  2. Desejo e esforço de Deus a que sejamos parecidos com Ele – Vida justa
  3. Desejo e esforço de Deus a que sejamos parecidos com Ele – Vida piedosa

Compartilhe com seus irmãos e amigos


ou copie este link e envie para seus contatos

Seja o primeiro a comentar!



* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do site e passarão por aprovação do administrador.