A verdade sobre o Natal

Texto base:

“Naqueles dias saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo fosse recenseado. Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria. E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. Subiu também José, da Galiléia, da cidade de Nazaré, à cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. Enquanto estavam ali, chegou o tempo em que ela havia de dar à luz, e teve a seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou em uma manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem. Ora, havia naquela mesma região pastores que estavam no campo, e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho. E um anjo do Senhor apareceu-lhes, e a glória do Senhor os cercou de resplendor; pelo que se encheram de grande temor. O anjo, porém, lhes disse: Não temais, porquanto vos trago novas de grande alegria que o será para todo o povo: E que vos nasceu hoje, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: Achareis um menino envolto em faixas, e deitado em uma manjedoura. Então, de repente, apareceu junto ao anjo grande multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens de boa vontade. E logo que os anjos se retiraram deles para o céu, diziam os pastores uns aos outros: Vamos já até Belém, e vejamos isso que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer. Foram, pois, a toda a pressa, e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura; e, vendo-o, divulgaram a palavra que acerca do menino lhes fora dita;” – Lucas 2:1-17

Esta semana foi publicado no site Um Só Corpo um artigo que tem como título: O que a bíblia diz sobre o Natal? E o autor logo na primeira linha afirma: “NADA!” E isto é verdade! A bíblia não diz nada sobre esta palavra e muito menos sobre a comemoração contínua do nascimento de Jesus.

Isso quer dizer que Jesus nunca ensinou que seu aniversário deveria ser comemorado ou se deveria ter festa. Não encontramos nada disso nas epístolas e muito menos nos evangelhos. Não há registro de Jesus comemorando com os discípulos, o que quer dizer que nenhum dos apóstolos ensinou algo sobre isso.

Então vou contar pra vocês a origem desta comemoração que vai frustrar alguns, mas também vai nos trazer uma direção do que Deus quer de nós neste tempo.

Fontes históricas confiáveis provam que nos primeiros 350 anos da igreja, não há um único registro da celebração do natal. Como falei antes, os discípulos não receberam nenhuma ordem a respeito disso, diferente da ceia onde Jesus disse: “Fazei isso em memória de mim…”.

Esta festa passou a ser introduzida após Constantino(1) ter um tipo de experiência com Deus. Ele estava indo para uma batalha onde ele venceu e tendo um sonho, achou que Deus estava com ele. Então ele tornou por decreto o cristianismo como sendo a religião oficial de Roma, proibindo qualquer outro tipo de culto e assim todas as pessoas se deram por “convertidas” . Elas tiveram que “fazer de conta – fingir”, tornando-se cristãs à força, sem passar pelo arrependimento e o processo do novo nascimento.

É exatamente nesta época e por conta destas ordens que a igreja, que até aquela época não tinha conceito de templo, onde as pessoas pagãs utilizavam estes templos para suas reuniões.

A primeira coisa que precisamos entender é que Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro e nem tampouco em dezembro. No texto que lemos diz que haviam pastores no campo, só que no período de dezembro em Israel é muito frio (mas não neva). Já em meado de outubro os pastores não levam seu rebanho para o pasto exatamente por conta da chuva e do frio.

E de onde vem a história de 25 de dezembro?

Veja como a falsa conversão daquele decreto fez mal à igreja. No dia 25 de dezembro existia uma comemoração chamada de Brumalia ou Mitraica(2) que era simplesmente uma festa em homenagem ao “deus sol”. E esta comemoração era feita no início do inverno, sendo no dia mais curto chamado solstício de inverno(3). Era uma comemoração muito antiga e como eles estavam proibidos de fazer qualquer outro tipo de adoração, passaram a dizer publicamente que aquela festa era pra comemorar o nascimento de Jesus. Só que o espírito da festa era a mesma, uma festa pagã de culto ao “deus sol”.

Logo em seguida, já naquela época, protestaram contra a maneira vulgar e indecorosa que era comemorado o nascimento de Jesus, com uma festa que era na verdade pagã.

Vou citar outros aspectos relacionados ao natal que geralmente não sabemos:

Guirlanda

Uma coroa verde adornada com fitas e bolas coloridas, vem da cultura pagã de adornar a casa e o templo para esta festa pagã ao deus sol.

Papai Noel

Há uma lenda baseada em um bispo chamado Nicolau do séc V. Sobre esta história a enciclopédia britânica diz:

Conta-se uma lenda segundo a qual Nicolau(4), bispo de Mira, presenteava ocultamente as 3 filhas de um homem pobre onde esta lenda deu origem ao costume de dar presente secretamente na véspera do dia de São Nicolau, no seu aniversário, que era no dia 6 de dezembro. Muitos séculos depois na Alemanha, este costume foi transferido para o dia 25 de dezembro para coincidir com o natal.

A roupa dele até o final do séc XIX, era representado com uma roupa de inverno que tinha as cores marrou ou verde escuro. Em 1876, um cartunista chamado Thomas Nast(5) criou uma imagem mais festiva para o personagem nas cores que conhecemos hoje.

 

Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola resolveu apresentar o papai Noel com este novo figurino que simplesmente combinava com a cor da marca.

Observamos pelos fatos que os costumes de celebrar o natal tem suas origens fora do cristianismo e ao contrário do que possa parecer não honra a Deus nem a Jesus.

E nós discípulos o que podemos fazer?

Nossas famílias se reúnem no natal onde podemos aproveitar este momento para proclamar a vida e obra de Jesus.

Porque deus não nos mandou comemorar o nascimento de seu filho? Quando nasceu Jesus?

Simples! Porque ele sempre existiu.

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez.” – João 1:1-3

“sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente” – Hebreus 7:3

Deus nunca se preocupou, muito menos Jesus, em destacar o seu nascimento, em fazer com que se comemorasse o seu nascimento. Podemos aproveitar este momento e proclamar algumas verdades:

Ele era o verbo que se fez homem
“E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.” – João 1:14

Como homem Jesus viveu uma vida perfeita e sem pecado
“Ele não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano;” – 1 Pedro 2:22

Pelo poder do Espírito Santo Jesus andou por toda a parte fazendo o bem curando a todos
concernente a Jesus de Nazaré, como Deus o ungiu com o Espírito Santo e com poder; o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do Diabo, porque Deus era com ele.” – Atos 10:38

Este mesmo Jesus foi crucificado e morto pelos nossos pecados
“Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” – Isaías 53:5

Ao terceiro dia Jesus foi ressuscitado pelo poder de deus vencendo a morte
“ao qual Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte, pois não era possível que fosse retido por ela.” – Atos 2:24

Jesus foi exaltado recebendo todo poder
“Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome; ” – Filipenses 2:5-9

E voltará
“Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.” – Mateus 24:30

Porque se lamentarão?

Porque embora ouçam várias vezes que Jesus é o filho de deus, não um boneco na manjedoura, que se fez carne, andou nesta terra curando, morreu pelos nossos pecados e foi exaltado… muitos não creem e se recusam a crer. Quando o Filho do Homem aparecer nos céus, muitos se lamentarão dizendo: “deveria ter crido!”

No engano do pecado e embriaguez da idolatria o mundo preparou um dia para usar o nome de Jesus para gastarmos o dinheiro que não temos comprando coisas que não precisamos, para comer em uma noite a comida de vários dias, para trocar presentes em lugar de pedir perdão.

Em muitas famílias que se reúnem nestes dias existem mágoas por motivos diversos, em vez de pedir perdão, são forçadas a trocar presentes para que a mágoa não aumente.

Que oportunidade maravilhosa que teremos para proclamar paz aos homens a quem deus quer bem. Vivendo em uma época tão idólatra – como as outras épocas, nem mais, nem menos – o Espírito Santo nos chama para:

  1. permanecer firme em nossa fé e no chamado para ser testemunha da vida e obra de Jesus;
  2. sermos proclamadores das suas virtudes;
  3. sermos pescadores de vidas.

Portanto, vamos proclamar a Jesus. As famílias estarão reunidas e por algum motivo que não sabemos, há um espaço que pode ser usado para se proclamar Jesus. Vamos falar da vida e obra de Jesus, vamos falar da sua morte. Porque ele morreu?

Que oportunidade de dizer o porque Jesus nasceu. Ele nasceu para morrer, não nasceu para fazer festa. Na verdade este foi o ministério de Jesus, o ministério da reconciliação.

Vamos proclamar seu chamado amoroso e urgente ao arrependimento para perdão dos pecados. Que este dia seja para exaltar Jesus. É importante conhecer a origem das coisas para não embarcar numa barca furada.

Podemos ter duas atitudes, ser uma pessoa chata que vai tentar fazer com que ninguém comemore o natal ou podemos ser sábios aproveitando estes dias para como servos sermos proclamadores em nossas famílias.

Você pode querer saber mais:

1 – Constantino: http://pt.wikipedia.org/wiki/Constantino
2 – Brumalia ou Mitraica: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mitra_(mitologia)
3 – Solstício de inverno: http://pt.wikipedia.org/wiki/Solst%C3%ADcio_de_inverno
4 – Bispo Nicolau: http://pt.wikipedia.org/wiki/Nicolau_de_Mira
5 – Thomas Nast: http://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Nast

Como você conheceu o Um Só Corpo?

  • Inclua outra resposta

Compartilhe com seus irmãos e amigos


ou copie este link e envie para seus contatos

Seja o primeiro a comentar!



* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do site e passarão por aprovação do administrador.